Wednesday, March 07, 2007

Fizeram-nos acreditar...

Chelsea-2-Porto-1
(Quaresma)
Faltou um bocadinho assim... Os valentes e jovens jogadores do F.C.Porto tiveram um comportamento que só nos pode deixar orgulhosos. Garra, crença, qualidade que fizeram com que Mourinho e os seus galácticos tremessem até ao último instante. O Porto mostrou que Portugal se pode bater de igual para igual com Potências futebolísticas como esta «Multinacional» do Chelsea. O golo de Quaresma aumentou a nossa fé, a 2ª metade iria ser muito complicada para os ansiosos Ingleses mas aquele golo de Robben muito facilitado por Helton virou o jogo. O Porto até passou a jogar melhor mas a 10 minutos do fim o golo de Ballack decidiu a eliminatória. Pelo que jogou nas duas mãos o FCPorto merecia passar. Caímos de pé. Portugal orgulha-se de nós. Os invejosos têm hoje um dia feliz.

7 comments:

TONY, Duque do Mucifal said...

bom, eu vi o jogo de uma forma imaprcial. A 1ª parte do jogo foi bem jogado pelo Porto. Fez 1 remate á baliza e marcou um golo. Fez pressão alta e acertou nas marcações. Apesar do aperto final do Chelsea, o 1-0 aceitava-se.
Na 2ª parte, o Porto foi 1 fez á grande área do Chelsea, nunca conseguiu ter bola e a defesa claudicou. O primeiro golo é culpa do Helton (a maneira exibicionista como se faz aos lances explica o frango). O remate do Robben surge sem oposição.
O meio do campo não cosntruiu 1 jogada na 2ª parte. Nem de ataque nem de contra-ataque.
No 2 golo, o Pepe estava sozinho naquele rectangulo. Faltaram o Bruno Alves e o Ricardo Costa.
A vitória do Chelsea acaba por ser justa.
O Porto jogou aquilo que sabe e que o Chelsea deixou. Perdeu perante uma grande equipa. Talvez o Chelsea seja o futuro Campeao Europeu.
Vamos agora torcer pelo Benfica. Só espero que não haja inveja do eventual sucesso do Braga e do Benfica na 5ª feira.

Anonymous said...

O Porto jogou aquilo que sabe e o que sabe demonstrou que os Dragões são indiscutivelmente a única equipa lusa com capacidade para a Champions e para estes grandes momentos. Ninguém mais em Portugal (actualmente)tem estofo para estes jogos.

Anonymous said...

CONCORDO. O Porto é a única equipa com dimensão europeia. Nisso ESTOU DE ACORDO. E a liga dos Campeões não tem nada a ver com a Uefa. São 2 competições bem distintas.
Ass: TONY (nem sempre consigo fazer login...)

tripeiro said...

Foi o adeus à Liga dos Campeões!
Estou triste pelo resultado, mas não pela exibição.
O FC Porto mostrou à Europa que joga bem futebol, controlou a primeira parte do jogo de ontem, em casa de uma das mais fortes equipas do mundo! A equipa inicial foi diferente da habitual, mas compreende-se, uma vez que o adversário não é um qualquer.
Depois do tão aguardado golo de que precisavamos para seguir em frente...os portistas sonharam. O resto da primeira parte foi de controlo dos Dragões.
A equipa do Chelsea saiu para o intervalo debaixo de assobios e estava tudo do nosso lado para passarmos.
Mas na segunda parte as coisas não correram como queriamos.
Primeiro o Helton foi muito mal batido no golo do empate.
Jesualdo Ferreira ainda fez alterações, mas o Chelsea como já se esperava, que não queria o prolongamento, veio para cima de nós. Defendemos tudo, até ao minuto 76, quando Ballack marcou o segundo para os "blues".
A aprtir daí o Chelsea só trocou a bola enre si, à espera do apito final do árbitro.

Estou orgulhoso da maneira como jogámos, princpalmente nos primeiros 45 minutos. Agora temos de levantar a cabeça para conquistarmos o campeonato!!

Um Abraço,
Tripeiro
http://magicoporto.blogs.sapo.pt

fvaz said...

Também concordo que o Porto é a única equipa portuguesa de dimensão europeia. Mas ontem ( e ressalvo que só vi a 2ª parte) não foi uma única vez à baliza.

fvaz said...

Ainda fiquei à espera da profecia do Lucho mas a bola nem à área chegava.

TONY, Duque do Mucifal said...

Não foi o Porto da primeira mão, sempre a tentar ganhar, mas a verdade é que este Chelsea também não foi o da primeira mão: na segunda parte, assumiu o favoritismo e a superioridade natural e encostou o Porto às cordas.
O Porto mostrou incapacidade em entrar no reduto defensivo do adversário